sábado, 17 de dezembro de 2011

1 Coríntios 13 - Parte 1 - Uma Exposição Bíblica do Amor



Atenção: esse estudo é parte de uma série e é da maior importância que o leitor prossiga para as outras partes seguindo os links que ses encontram no final desse estudo.

Introdução Geral

• I Coríntios 13 é uma das passagens mais conhecidas e mais amadas do NT.

• Também é uma das mais manipuladas por pregadores que desconsideram o contexto totalmente ou tentam impor sua ótica distorcida, de que o amor se opõe aos dons espirituais.

• O verbo grego ζηλόω - zelóo – procurar, no modo imperativo - procurai em 1 Coríntios 12:31 e 14:1 - indica que o capítulo 13 de 1 Coríntios é, na realidade, uma digressão – a digressão é um recurso literário utilizado com o fim de esclarecer ou criticar o assunto que está sendo tratado. Por este motivo, toda digressão é completamente relevante ao contexto.

• Nesse capítulo, em três parágrafos, a intenção de Paulo é colocar o zelo dos Coríntios pelos dons, dentro de um contexto ético mais abrangente.

• Este novo contexto é o amor pelos outros, em oposição ao egoísmo expresso em buscar os próprios interesses.

• O amor ao qual Paulo se refere é aquele que edifica a Igreja. É o amor ensinado por Jesus – ver João 13:34—35. É o único amor verdadeiro porque é o próprio amor de Deus – ver João 3:16.

• O que está em disputa aqui são duas visões de espiritualidade:

 Eles falavam em línguas, e Paulo não disputa serem as mesmas uma manifestação genuína do Espírito.

 Mas ao mesmo tempo, eles toleravam ou aceitavam um comportamento sexual ilícito, a avareza e a idolatria, e julgavam poder edificar um irmão destruindo-o.

•Paulo vai no começo do capítulo 13, alistar uma série de atividades religiosas, tiradas de 1 Coríntios 12:8—10, que não beneficiam quem as pratica, a menos que a pessoa tenha o amor como característica ou intenção principal, ao praticar tais atos.

• Paulo apresenta uma definição de amor que se adapta bem à situação em Corinto.

• O objetivo maior do apóstolo é ajudar os Coríntios a entender que os Dons são úteis somente nesta vida ao passo que o amor perdura pela eternidade.

I. Esboço de 1 Coríntios 13

A – A necessidade absoluta do Amor - versos 1—3.

B – O caráter do Amor – versos 4—8a.

C - A permanência do amor – versos 8b—13.


II. Apresentação

• Para Paulo, o Amor como ele o entende, é uma decisão; é uma forma de comportamento. Amar é agir. Qualquer coisa menos que isto não é amor.

• O Amor não pode ser contrastado com os dons, pois ele está em outra categoria. O amor é o ambiente em que os dons devem funcionar.

A – A necessidade absoluta do Amor - versos 1—3.

• Paulo inicia sua apresentação do caminho mais excelente, com uma série de três frases condicionais.

• Paulo começa com as línguas estranhas porque era aí que o problema maior residia. Em seguida ele expande a lista para incluir vários dos dons mencionados no capítulo 12 de 1 Coríntios, dons esses que Paulo acreditava serem necessários para a diversidade da vida da Igreja e, finalmente, ele menciona alguns atos de auto-sacrifício.

• Tanto Paulo como os Coríntios reconheciam que todas as atividades mencionadas tinham valor. O que se disputa aqui não é a atividade sem amor e sim a condição da pessoa propriamente envolvida na execução da ação mencionada.

• Todos os atos citados são bons em si mesmos. O que não é aceitável é a manifestação destes atos por pessoas que não refletem as qualidades do amor como apresentadas em 13:4—7. O amor não é contrastado com os atos em si mesmos. O que Paulo diz é, que: sem amor, todos estes atos valem “zero”, ou que não valem nada diante de Deus.

•b Aqui temos outra vez, duas visões de espiritualidade:

 Para os Coríntios, a espiritualidade significava “línguas, sabedoria, conhecimento e, consequentemente, orgulho.

 Para Paulo, ela significava estar cheio do Espírito, o que necessariamente, implicava em comportar-se como “os santificados em Cristo Jesus, chamados para ser santos” – ver 1 Coríntios 1:2. Estes são os que andam em amor.

1. Verso 1

Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor, serei como o bronze que soa ou como o címbalo que retine.

A frase inicial deste versículo é a razão de todo o argumento: “Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos”. Os Coríntios tinham certeza absoluta de eles falavam tanto as línguas dos anjos como a dos homens. A expressão “línguas dos homens” diz respeito a línguas humanas manifestadas pela ação do Espírito Santo, e totalmente desconhecidas por quem as utiliza. Por sua vez, a expressão “línguas dos Anjos” faz referência a algum dialeto ou língua falada nos Céus.

• As línguas dos Anjos – Naqueles dias havia uma tradição judaica de que existia uma língua ou dialeto falado nos céus e que por intermédio do ‘Espírito Santo’ alguém podia dominar e falar este dialeto ou língua.

• No livro pseudoepigráfico intitulado “O Testamento de Jó”, nos capítulos 48—50, as 3 filhas de Jó recebem sachês carismáticos. Quando usavam esses sachês, elas podiam proferir hinos a Deus da mesma maneira como os anjos usando, inclusive, a língua dos anjos.

• A grande verdade é que ninguém entende essa língua entre os seres humanos, da mesma maneira que não entendemos uma língua estrangeira quando a ouvimos. Com relação às línguas estrangeiras o apóstolo Paulo no diz em 1 Coríntios 14:2, o seguinte: “Pois quem fala em outra língua não fala a homens, senão a Deus, visto que ninguém o entende, e em espírito fala mistérios”.

• Existem indícios de que os Coríntios acreditavam que haviam entrado em um estado angelical de existência. Falar como os anjos era só o início deste estágio de vida. Isto explicaria porque muitos dentre eles:

 Rejeitavam a vida sexual e suas responsabilidades para com seus parceiros – ver 1 Coríntios 7:1—17.

 Tinham uma atitude, entre eles, de negarem a vida futura – ver 1 Coríntios 15:12, 35.

• Este novo estado de existência, também justifica o interesse todo especial que os Coríntios tinham tanto por “sabedoria” como por “conhecimento”. Eles estavam dizendo: “Paulo, nós já estamos no nível dos anjos. Veja! Nós já falamos como eles”. Daí o interesse de Paulo de fazer desta questão a questão inicial.

• A preocupação de Paulo residia na compreensão clara que ele possuía, de que a Espiritualidade deles estava cheia de falhas:

1. O conhecimento deles os conduzia a um orgulho que tinha como consequência a destruição “do irmão por quem Cristo havia morrido” – ver 1 Coríntios 8:2, 11.

 2. A sabedoria deles os conduzia a disputas e rivalidades – ver 1 Coríntios 1:10; 3:4.

 3 – A prática de falar em línguas não servia nem para edificar os irmãos, nem para convencer um incrédulo que estivesse visitando as reuniões deles. Em outras palavras, na espiritualidade dos Coríntios faltava a primeira manifestação do Fruto de Espírito Santo que é o Amor.

• A Expressão “se não tiver amor”, não quer dizer que o amor é algum tipo de possessão. Qual é, então, o significado da expressão “se não tiver amor”, que é mencionada três vezes em 1 Coríntios 12:1—3. “Ter amor” significa agir com amor. O amor é uma decisão e nunca um sentimento. E o que significa “agir com amor”? Significa buscar, de forma ativa, o benefício de outra pessoa. O modelo de Paulo é o próprio Deus que buscou, de maneira ativa, o bem de seus inimigos – ver Romanos 5:6—8. Dessa forma, nós podemos dizer que amar alguém é ter para com esta pessoa a mesma atitude que Deus tem por nós através de Cristo Jesus.

• Se não tiver essa atitude de amor, o falar em línguas se parece como o bronze que soa ou como o címbalo que retine. Se a preocupação de falar em línguas não estiver vestida do interesse de edificar a comunidade, para nada aproveita e a comunidade cristã estará repetindo os atos dos pagãos, dentre os quais haviam saído – ver 1 Coríntios12:2.

2. Verso 2

Ainda que eu tenha o dom de profetizar e conheça todos os mistérios e toda a ciência; ainda que eu tenha tamanha fé, a ponto de transportar montes, se não tiver amor, nada serei.

No verso 2 Paulo expande a lista para incluir três χαρίσματα – charísmata - ou dons, que ele já havia mencionado em 1 Coríntios 12:8—10. Estes dons eram:

• Profecia - que Paulo considera, de forma consistente, um dos dons que possui uma função primária ou básica na vida das comunidades cristãs como podemos ver, por exemplo, em 1 Tessalonicense 5:19—20 e 1 Coríntios 14:1—25. É obrigação de todo crente profetizar, i.e., pregar as Boas Novas acerca do Evangelho – ver Atos 2:17—22.

• Conhecimento - outro dom favorito dos Coríntios - e Fé, que juntamente com a frase qualificadora “a ponto de transportar montanhas”, significa aquele dom especial de realizar grandes atos. Junto com os substantivos – conhecimento, ciência e fé - Paulo usa os adjetivos gregos πάντα- pánta e πᾶσαν – pâsan – que são traduzidos como “toda” e “tamanha” para qualificar, de um modo absoluto, os substantivos utilizados.

• Se alguém tiver o dom de profetizar, e também tiver todo o conhecimento possível das ciências e dos mistérios e ainda mais, se tiver fé para realizar grandes portentos, mas se não tiver a atitude de usar tudo isto para edificar o próximo, esta pessoa não vale absolutamente nada para Deus e muito menos para a igreja.

3. Verso 3

E ainda que eu distribua todos os meus bens entre os pobres e ainda que entregue o meu próprio corpo para ser queimado, se não tiver amor, nada disso me aproveitará.

O terceiro ponto de Paulo expande ainda mais o comportamento do Cristão, pois inclui duas instâncias de grande sacrifício pessoal.

• A primeira faz referência ao conselho de Cristo ao jovem rico: vender tudo o que tem para distribuí-lo aos pobres – ver Marcos 10:17—21. É claro que este ato tem em si mesmo um grande valor já que ele beneficia os recipientes, mas o que Paulo quer destacar é que o mesmo não tem nenhum valor para quem o faz, sem manifestar o amor como descrito nos versos 4 a 8.

• A segunda é o clímax, já que doar a própria vida é o máximo que alguém pode fazer por outrem.

Conclusão da Introdução Geral.

• O amor é a marca primordial do cristão. Sem amor qualquer forma de cristianismo precisa ser questionada.

• Como você, meu irmão e irmã, vê sua própria espiritualidade? Você se julga espiritual? Baseado no que?

• O que você prega não importa. Quantos dons você tem, não faz a menor diferença. O tipo de dom que você possui é irrelevante. Sua grandeza aparente não tem nenhum valor. O poder que você exerce sobre as pessoas não vale absolutamente nada. Nada aproveita para Deus se não estivermos decididos a amar como Deus amou. Se não decidirmos fazer algo de bom para nosso próximo, mesmo que ele seja nosso inimigo – ver Mateus 5:44; Lucas 6:28.

• Ouçamos as sábias palavras do Apóstolo Paulo, que diz em Romanos 12:17—21 o seguinte:

17 Não torneis a ninguém mal por mal; esforçai-vos por fazer o bem perante todos os homens;

18 se possível, quanto depender de vós, tende paz com todos os homens;

19 não vos vingueis a vós mesmos, amados, mas dai lugar à ira; porque está escrito: A mim me pertence a vingança; eu é que retribuirei, diz o Senhor.

20 Pelo contrário, se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto, amontoarás brasas vivas sobre a sua cabeça.

21 Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem.

OUTROS ESTUDOS EM 1 CORÍNTIOS 13









Deus abençoe a todos.

Alexandros Meimaridis 

PS. Pedimos a todos os nossos leitores que puderem que “curtam” nossa página no facebook através do seguinte link:


Desde já agradecemos a todos.

23 comentários:

  1. Obrigada meu Deus, palavra libertadora!!!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pela exegese! Gostei muito e contribuiu para a minha pesquisa grandemente!! Que Deus continue abençoando os seus trabalhos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara Vanessa,

      Obrigado, e toda a glória seja dada a Deus e que apenas o nome de Jesus possa ser engrandecido.

      Deus te abençoe.

      Abraço,

      irmão Alex

      Excluir
    2. Paulo se baseia sem dúvida nisso:

      " e Jesus lhes disse: apartai de mim mauditos....tive fime e não me deste de comer, sede e não me deste de beber.....

      Todos estes referidos fizeram proezas. E mais, em nome de Jesus.
      Mais seu fim foi o mesmo que o salmista Davi vislumbrou após entrar no santuário de Deus e contemplar o fim dos ímpios.

      Excluir
  3. Gloria a Deus. Mas me permaneceu uma duvida. Como poderia Deus conceder um dom espiritual a uma pessoa q nao tem amor. Se uma pessoa nao ama como pode ter fe em Deus ou profetizar. Logo entendo q se um profetiza sem amor essa profecia e falsa. E como pode alguem ter fe em Deus sem praticar o q ele nos manda????

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não pode! Isso se chama autoengano.

      Irmão Alex

      Excluir
    2. entao lhe pergunto se paulo teria se expressado mal? ao inves de dizer que tendo ja certos dons nada valeriam. nao deveria ter dito que sem amor nao se poderia alcancar outros dons?

      Excluir
    3. Não Paulo não se expressou mal.

      Irmão Alex

      Excluir
    4. Caros irmãos, eu também sou contra; mas quem sou eu para ir contra a Palavra do nosso Deus? Os dons são de Deus. Deus usa em quem Ele quiser, como quiser, onde Ele quiser e quando quiser. Não temos que questionar; e sim obedecer. Deus é quem julga.

      Excluir
  4. Me desculpe mas somente um sim ou um nao nao estao me ajudando preciso de uma explicacao para um amanha saber o q reponder a um irmao com a mesma duvida obrigado que Deus abencoe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Anônimo,

      Me desculpe ter sido tão lacônico nas minhas respostas. Mas peço a você que note os seguintes fatos:

      1. A questão levantada por você, originalmente, está plenamente respondida em nosso artigo acima, para o qual peço sua atenção. Dedique algum tempo lendo o mesmo com vagar procurando entender o que estamos dizendo.

      2. Por isso, tua segunda pergunta não fazia muito sentido.
      Para completar eu quero dizer a você algumas coisas que, apesar de estarem no texto, podem ser ditas de outra maneira:

      A. Manifestação de carismata ou dons não é sinal de espiritualidade. A igreja em Corinto era a mais carismática entre todas as que são mencionadas no Novo Testamento, mas era também a mais imatura e a que manifestava a menor espiritualidade.

      B. Deus por meio do Espírito Santo concede seus dons a quem ele quer, mesmo a pessoas imaturas, quem sabe com a intenção de ajudá-las a enxergar a grande verdade de 1 Coríntios 13 que é: seu eu não tiver amor, de nada adianta ter os dons e outras questões paralelas que Paulo trata nos três primeiros versículos.

      É isso. Espero ter esclarecido melhor. Se persistirem dúvidas. Volte a me escrever a vontade.

      Abraço,

      Irmão Alex.

      Excluir
    2. A paz rmao alex,

      agradeco pela paciencia. e sim ficou eclarecido a minha duvida, quera exatamente esta " Deus concede seus dons a quem ele quer, mesmo a pessoas imaturas". e que na minha primeira pergunta o irmao disse que nao poderia conceder que se chamaria auto engano entao fiquei confuso pensando que poderia haver uma distorcao na traducao ou que ate mesmo paulo como homem e falho tambem pudesse ter se expressado mal ao dizer que a igreja tinha dons e nao tinha amor. mas dou gloria a Deus pela sua vida de ter me ajudado a compreender essa menssagem e espero um dia ser usado tambem como ferramenta de Deus.
      obrigado e que Deus abencoe.

      Excluir
    3. Deus seja louvado por ajudar você a compreender Sua Palavra. Fico contente em poder te ajudar.

      Abraço,

      Irmão Alex

      Excluir
  5. Deus abençoe irmão Alex,
    ótimo estudo!

    O amor que escreveu Paulo em I Coríntios 13 pode ser entendido como o amor em um relacionamento? É certo que existem vários princípios que devem ser aplicados, mas quando ele escreveu à carta, qual foi o alvo e o objetivo dele?

    Paz Graça

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Ezekiel,

      Obrigado por escrever e pelas palavras de incentivo.

      Sim, o amor acerca do qual Paulo escreveu vale para todos os relacionamentos pessoais. Mas seu propósito específico nesse caso era ajudar os irmãos em Corinto que estavam muitos divididos e muito brigados uns com os outros, além de demonstrarem falta de amor de várias outras forma nas relações de uns para com o outros.

      Sugiro, que se você tiver um tempinho, leia os outros estudos da série.

      Abraço fraterno,

      Irmão Alex

      Excluir
  6. Irmão Alex, Paz do Senhor.
    Gostei muito do seu estudo, quero ler os restantes dos estudos, como faço, copio o link é isso ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Irmão,

      Sim, se os links não funcionarem direto, de dentro do artigo, basta copiá-los e colá-los numa nova página de pesquisa que o mesmo será imediatamente localizado.

      Se tiver qualquer problema basta me avisar.

      Abraço fraterno,

      Excluir
  7. O texto e a interpretação também me foi muito proveitoso e até me emocionei com a conclusão nada se aproveita se nao amor (caridade) para com seu semelhante seja amigo ou inimigo. Amem!"

    ResponderExcluir
  8. Amém gostei, mas min responda sem muitas explicações, a final falar em.línguas horar em línguas estranhas é de fato o que mesmo mania algo diferente ou é de Deus isso

    ResponderExcluir
  9. BOM DIA!
    Caro irmão!
    Estar sendo um prazer poder ler seu artigo, o mesmo além de ser abençoado e inspirador a buscarmos mais e mais conhecimento. Estava pesquisando sobre o assunto de joão 13. 34-35 quando deparei-me com seu blog. Estou buscando conhecimento teológico sobre os principais assuntos polêmicos, pois percebo hoje que não basta apenas ler a palavra é preciso mergulhar na cultura, nos costumes e principalmente no que realmente a palavra revela aos seus leitores. Que o Senhor Deus Soberano abençõe cada vez mais seu ministério e vossa família.

    ResponderExcluir
  10. Graças a Deus trouxe bastante esclarecimento e destrinchamento da vontade de Deus nessa passagem. Grato a Deus pela vida dos irmãos e pela forma como Ele tem concedido a vocês essa misericórdia de transmitirem a verdade no grande púlpito que é a internet.

    Que Jesus abençoe!

    ResponderExcluir